.::ESPIRITISMO KARDECISTA::.


O espiritismo kardecista
Deuteronômio 18.9-14
introdução
O Espiritismo, enquanto tentativa de comunicação com os mor­tos, faz parte da tradição de vários povos, como os egípcios, caldeus, hindus, assírios e outros. O Espiri­tismo que se expande hoje é a conti­nuidade da necromancia e do ocul­tismo praticados pelos povos antigos.
O misticismo do povo brasi­leiro, a fachada cristã do Espiritis­mo e seu aspecto consolador, são alguns dos motivos que fazem do Brasil um campo fértil para a pro­pagação das ideias espíritas. O Brasil é o país com o maior núme­ro de espíritas do mundo.
Os principais grupos religio­sos ligados diretamente ao Espiri­tismo no Brasil são classificados em duas grandes categorias: o alto Espiritismo — de origem Kardecista (assunto destapostagem) — e o bai­xo espiritismo, nome genérico dado aos cultos religiosos de origem afri­cana que, chegando ao Brasil, in­corporaram, com o passar do tem­po, elementos do Kardecismo e do catolicismo, sendo por isso tam­bém designados como cultos afro-brasileiros (assunto da próxima postagem), entre os quais se incluem a umbanda, o candomblé e outros.
Antes de introduzir o povo de Israel na terra prometida, Deus fez sérias advertências contra as práti­cas religiosas dos cananitas, habitan­tes da terra, que incluíram a necro­mancia entre suas práticas. Deus condenou tais práticas por serem abomináveis aos seus olhos (Lv 19.31). Essas advertências tinham um caráter tão sério que o castigo imposto àqueles que violassem tais mandamentos era a morte Lv 20.6 e 27). A Bíblia diz que o rei Saul foi morto por recorrer a uma mé­dium (l Cr 10.13). Vejamos o espi­ritismo kardecista:
I. história
O Espiritismo é a mais antiga de todas as práticas religiosas. O que hoje se chama de médium, macum­beiro, pai de santo, era antigamente chamado de mago, pitonista, adivi­nho. O Espiritismo moderno teve seu ressugimento nos Estados Unidos, com as irmãs Margaret e Kate Fox, em 31 de março de 1848. Começa­ram a ouvir pancadas na casa e de­pois móveis passaram a mover de um lado para outro. Kate, então, teve a ideia de comunicar-se com o po­der invisível que produzia ruídos. Ás irmãs Fox desenvolveram um siste­ma de comunicação com o suposto espírito, que respondia as suas per­guntas mediante um código previa­mente estabelecido. As irmãs Fox no aía 22/10/1888, retrataram-se de tudo o que tinham ensinado sobre o Espiritismo, reconhecendo o engano que haviam difundido.
No ano de 1856 a França tor­nou-se o centro mundial ao espiri­tismo, quando um professor francês, Allan Kardec, deu nova dimensão a essa seita, codificando suas doutri­nas. O primeiro livro escrito por Kardec foi o Livro dos Espíritos, en­tregue à publicidade em 18/04/1857, data considerada pelos Kardecistas como o dia da fundação do espiri­tismo. Allan Kardec publicou vári­os outros livros. Entre eles se inclu­em: O Evangelho Segundo o Espi­ritismo, A Génese, o Céu e o Infer­no, O Livro dos Médiuns, O que é o Espiritismo e Obras Póstumas.
A primeira sessão espírita rea­lizada no Brasil foi no dia 17/09/ 1865, Salvador-BA, sob a direção de Luís Olímpio Teles de Menezes. O Espiritismo Kardecista conta com
cerca de 20 milhões de adeptos e existem mais 5.500 centros espalha­dos por todo o território nacional.O nome mais conhecido do Es­piritismo Kardecista no Brasil hoje é o do médium Francisco Cândido Xavier, conhecido como Chico Xavier. Residente em Uberaba-MG,. De acordo com a revista Veja de 10/04/ 91, Chico Xavier já incorporou os espíritos de 605 autores falecidos, 328 dos quais poetas, entre eles al­guns dos mais famosos tanto de Por­tugal como do Brasil. A revistas Isto/ É Senhor, de 18/09/91, chama Chico Xavier de "Senhor dos Espíritos". Lançou, em 02/10/91, o trigésimo quinto livro de sua carreira: Ação, Vida e Luz. Seus livros, segundo afirma são de autoria de espíritos "desencarnados", cujas mensagens ele recebe por meio de psicografia, isto é, escrita mediúnica. Vendem aos milhões.
II- O espiritismo e a bíblia
Allan Kardec assim disse: "A lei do Antigo Testamento está per­sonificada em Moisés; a do Novo Testamento está personificada em Cristo; o Espiritismo é a terceira revelação da lei de Deus...". Se o Espiritismo é uma revelação que pro­cede de Deus, então ela deve confir­mar as duas revelações anteriores e não contradizê-las. Entretanto, quan­do comparadas, verifica-se que o Espiritismo ensina o oposto do Cris­tianismo. Além disso, o Espiritismo também nega a inspiração divina e a infalibilidade da Bíblia. O Cristianismo ortodoxo e histórico se fun­damenta unicamente na Bíblia, a re­velação de Deus aos homens. O Es­piritismo nega a criação de Deus descrita em Génesis capítulo primei­ro. Acredita no evolucionismo, sen­do o homem o ser mais elevado da escala evolucionista.
O profeta Isaías levantou sua voz contra os antigos espíritas que profetizavam para o povo (Is 8.19; 19.3; 47.9). O Rei Saul, antes de sua apostasia, quando ainda se sub­metia à direção de Deus, desterrou os praticantes do Espiritismo, abo­lindo toda modalidade de prática es­pírita (l Sm 28.3 e 9). Da mesma forma fez o rei Josias (2 Rs 23.24, 25). O Rei Manassés perdeu seu rei­nado como consequência do seu envolvimento com o espiritismo (2 Rs 21.6; 2 Cr 33.6).
É evidente que o Espiritismo não é o Cristianismo. O Cristianis­mo é Cristo e sua palavra (Jo 5.33 e 40). E o Espiritismo com suas práti­cas é condenado pela Bíblia         (Dt 18.10-12)
III. confronto doutrinário
Neste confronto destacamos três doutrinas fundamentais do Cris­tianismo e três do Espiritismo:
A. Doutrinas fundamentais do Cristianismo:

1. Trindade.
— Para o Espiri­tismo a Trindade é obscura e incom­preensível. Para eles, Deus é um ser mono-pessoal, o Pai, e negam que o Filho seja Deus e até rejeitam a exis­tência do Espírito Santo como ser pessoal, A Bíblia revela-nos um Deus triúno, isto é, um Deus eterno subsis­tente em três pessoas, iguais entre si em natureza, essência e poder. As três pessoas são chamadas Deus: o Pai (2 Pé 1.17); o Filho (Jo 1.1; 20.28; Rm 9.5; Tt 2.13); o Espírito Santo (At 5.3,4). A doutrina da Trindade é assim definida: "cremos em um só Deus eternamente subsis­tente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. O Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus, e no entanto, não são três deu­ses, mas Deus é um só."
2. Deus.
— A doutrina espírita acerca de Deus é ambígua, ora as­sumindo aspectos deístas (Deus te­ria criado o universo e depois se reti­rado dele), ora aspectos Panteístas
(Deus é tudo e tudo é Deus), ora con­fundindo-se com a doutrina de Deus do Cristianismo histórico bíblico.
Apresentamos um esquema com os principais fatos a respeito de Deus revelados na Bíblia e que re­futam as crenças espíritas:

a. Deus é um ser pessoal: Ele fala (Hb 1.1,2); Ele tem emoções tais como: amor (l Jo4.8; Rm5.5); é misericordioso (SI 103.8 e 13); Ele tem vontade própria (SI 115.3).

b. Deus é transcendente e imanente e também distinto de sua criação (SI 104.14; Mt 5.45; Jr 23.24; l Rs 8.27; Is 14.26,27; 57.15; 66.1).

3. Redenção por Cristo.
— o Espiritismo nega a redenção ao de­clamar: "Não a missão de Cristo, não em resgatar com o seu sangue os crimes da humanidade. O san­gue, mesmo de um Deus, não seria capaz de resgatar ninguém. Cada qual deve resgatar-se a si mesmo." A Bíblia afirma claramente que:

a. A missão de Jesus Cristo nes­te mundo foi de salvar e resgatar as almas perdidas  Lucas 19.10;Hebreus 9.23-28.

b. Paulo afirma que nossa re­denção é feita por Cristo — l Timó­teo l. 15 e que seu sangue nos puri­fica do pecado (Ef 1.7).

c. Esse ensino é repetido por Pedro (l Pe 1.18,19; 2.24) e por João em (1 Jo 1.7-9; 2.12).

B. Doutrinas Fundamentais do Espiritismo:

l. Comunicação com os mor­tos.
— O Espiritismo constantemen-te recorre a textos bíblicos em bus­ca de apoio para essa crença, em­bora a palavra de Deus proíba essa prática (Dt 18.9-12). Um dos textos a que recorrem é o que narra a con­sulta feita pelo Rei Saul à médium de En-Dor, em l Samuel 28. O re­sultado dessa consulta foi trágico (lCr 10.13). Se Deus recusou-se a atendê-lo pelas vias normais, por que iria atendê-lo pelas vias proibi­das por ele? (Êx 22.18; Lv 20.27;Is 8.19,e 47.13)
Em l Samuel 28.13, a mulher disse: "Vejo um deus que sobe da terra" e no versículo 14 diz: "En­tendendo Saul que era Samuel...”, mostra que Saul não tinha convic­ção de quem era. Há três coisas a considerar: a. Samuel não apareceu.

b.  Um espírito de demónio apare­ceu (2 Co 11.13,14 e l Sm 16.23).

c. A mulher usou de fraude e enga­nou ao Rei Saul.

Mediante o ensino da Bíblia, é inteiramente impossível a comunica­ção entre vivos e mortos: Jó 7.9-19; Eclesiastes 9.6; Mateus 25.41 e 46; Lucas 16.19-31.

2. Reencarnação.
— Para o Es­piritismo o objetivo da reencarnacão é: "expiação, aprimoramento progressivo da humanidade" e a cada encarnação, o espírito avança para o estágio final. Allan Kardec disse: "O princípio da reencarnação res­salta, aliás, de várias passagens das Escrituras, e se encontra notavelmen­te formulado de maneira explícita no Evangelho". Além de afirmar que a reencarnação está baseada nos evan­gelhos, Kardec reitera ser ela a úni­ca doutrina que satisfaz à justiça de Deus. O Espiritismo segue o pensa­mento gnóstico, segundo o qual o corpo é algo essencialmente mau, daí ser o objetivo do espírito libertar-se do ciclo de reencarnações, tor­nando-se um "espírito puro".
Apontamos alguns textos usa­dos pelo Espiritismo para fundamen­tar a reencarnação:

a. Mateus 11.12-15 .
— usam este texto para dizer que João Batista era reencarnação de Elias. João Batista não era Elias reencarnado pelas seguintes razões:
   No monte da transfiguração (Mt 17.1-6), quem apareceu foi Elias e não João Batista, como era de se esperar se João fosse a última encarnação de Elias.
   Quando indagaram se ele era Elias, sua resposta foi: "Não" (Jo1.19-21).
   Para que João Batista fosse a reencarnação de Elias, este precisa­ria ter morrido primeiro. E Elias nunca morreu (2 Rs 2.11). Entende­mos que João Batista cumpriu funcional e profeticamente o ministério de Elias.

b. João 3.1-12
— Eles afirmam que neste texto o próprio Jesus ensi­nou a reencarnação ao falar do novo nascimento. O contexto de João 3.1-12 indica claramente que Jesus esta­va se referindo a um nascimento es­piritual e não físico (v.6). O nascer
"de novo", significa "do alto", "de cima", efetuado pelo próprio Espí­rito Santo (Tt 3.5; 2 Co 5.17). Jó 1.20,21 e 14.10-14-Os reencarnacionistas declaram que Jó expressou esperança na reencarna­ção. Jó não está referindo ao retor­no da alma, ou espírito, a um outro corpo, numa outra encarnação, mas sim à descida do corpo à sepultura. A palavra "Ventre" é usado por Jó praticamente para equivaler a "ter­ra". Jó não cria na reencarnação; cria que ressuscitaria num corpo imortal. Ele declara esta esperança em Jó 19.24-26.
O que a Bíblia ensina é uma existência única, durante a qual o homem tem oportunidade de acer­tar-se com Deus (Hb 9.27). O dese­jo de Deus é que "todos os"homens sejam salvos" (2 Tm 2.4). Ele não quer que "nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento" (2 Pe 3.9).

3. Salvação pelas boas obras
— Allan Kardec no livro o Evange­lho Segundo o Espiritismo afirma: "Meus filhos, na máxima 'Fora da caridade não há salvação' estão con­tidos os destinos dos homens na ter­ra como nos céus". As boas obras nunca salvaram, nem ajudam a sal­var. Paulo afirma, em Efésios 2.8-10, que a salvação é pela graça, por meio da fé em Jesus Cristo, e nele somos criados para as boas obras, a fim de que as pratiquemos.
Há uma identificação entre ca­ridade e amor, pois em Mateus 25.40 Jesus declara que "quando o fizestes a um destes pequeninos, a mim o fizestes". O verdadeiro cristão ama
a Deus no próximo. Foi assim que se deu com Zaqueu (Lc 19.1-10).
conclusão
A afirmativa de Allan Kardec de que "o Cristianismo e o Espiri­tismo são uma e a mesma coisa", constitui uma falsidade. O atual avan­ço do Espiritismo, que se nota em várias partes do mundo é um sinal do fim, pois a palavra profética avi­sa que nos últimos tempos, muitos darão ouvidos a doutrinas de demó­nios (l Tm 4.1). Cuidado!
As respostas bíblicas para o Es­piritismo são a condenação e a es­perança. As Escrituras condenam suas práticas e não há vestígios de­las em seu conteúdo. Por outro lado, a Palavra de Deus sempre contém uma esperança para os que sofrem e esta esperança está na pessoa ma­ravilhosa de Jesus Cristo.

JRICARDO


1 Response to ".::ESPIRITISMO KARDECISTA::."

  1. carlos says:

    Muito informativo o seu texto.. de verdade.. parabéns. Tem muita gente que não entende.
    Se puder de uma olhadinha depois no meu blog, e o http://espiritismoespiritoverdade.blogspot.com.br/
    abraço amigo, ate breve. voltarei mais neste site.

Postar um comentário

Jesus esta voltando Blogger criar site | procurando fazer o bem JRicardo